PFC inicia o ano com novo cliente: Uma ajuda três chega ao time

A Propaganda Futebol Clube (PFC), um hub de comunicação em Porto Alegre, iniciou 2022 incrementando o seu quadro de clientes.

Uma das novidades para o ano, foi a chegada da marca Uma ajuda três: umprojeto idealizado pela farmacêutica Mayde Torriani que tem, como foco, ajudar pessoas com câncer.

Através da confecção e venda de bolsas, o Uma ajuda três viabiliza cremes capazes de reduzir os efeitos da chamada Síndrome Mão-Pé (SMP), ocasionada por um dos medicamentos do tratamento ao câncer. Cada bolsa comercializada pelo projeto possibilita que três pessoas tenham acesso ao creme.

É para levar esta ideia adiante, para fazer com que ela esteja no peito e nas mãos das pessoas, que a PFC começou a trabalhar com esta conta, visando aumentar a quantidade de bolsas comercializadas e tornar o projeto capaz de ajudar ainda a mais pessoas.

“No ano em que começamos afirmando que estamos vacinados contra falsas promessas, acreditamos que a chegada da marca Uma ajuda três nos possibilite mostrar aquilo que realmente vale a pena acreditar: uma comunicação capaz de mudar e melhorar vidas”, afirma Marcos Eizerik, CMO, da PFC.

Um cliente com história: PFC irá atender a União Israelita Porto-Alegrense

A Propaganda Futebol Clube (PFC), um hub de comunicação em Porto Alegre, está com novidades em seu quadro de clientes. É com muita história que a PFC anuncia seu novo cliente, a União Israelita Porto-Alegrense, sinagoga mais antiga do Rio Grande do Sul.

Nos últimos anos do século XIX chegaram os primeiros judeus que viveram no Rio Grande do Sul, vindos da França, da Alemanha e da Romênia. Mesmo residentes, não mantinham um público suficiente para organizar uma comunidade religiosa e social.

Já no início do século XX, com a chegada de novos imigrantes vindo da Rússia, da Áustria e do Marrocos, foi percebido um crescimento da população judaica no estado, despertando o interesse em manter acesa a chama do Judaísmo, reunindo todos os judeus.

O primeiro Minián foi formado em setembro de 1909, por Salomão Levy, um sefaradi de Marrocos. Foi na sala de sua casa, no Centro de Porto Alegre, que a Sinagoga teve origem. Assim, tornou-se possível realizar as rezas, os Shabatot e outras celebrações.

No dia 19 daquele mesmo mês, o grupo se reuniu para rezar novamente e decidiu fundar uma associação, com o objetivo de estabelecer uma sinagoga que atendesse à comunidade. Assim, a sinagoga recebeu o nome de União Israelita.

A sinagoga busca uma renovação da sua comunicação através das redes sociais, divulgando produtos e eventos. E, para contribuirmos mais nesta trajetória, a PFC irá trabalhar para que a mesma conquiste novos frequentadores e aumente a sua visibilidade.

A União Israelita Porto-Alegrense promove debates, também como eventos e celebrações de datas importantes dentro da religião judaica, que podem ser acompanhadas de forma online.

E para ver onde toda esta história vai dar, a PFC já está trabalhando para alcançar os objetivos da sinagoga.

Outdoors contra a Guerra na Ucrânia são colocados em Porto Alegre

Frente às terríveis imagens de guerra vindas do leste europeu, é muito comum que as pessoas se perguntem: “o que EU posso fazer para ajudar?”.

Foi pensando nisso, que o Grupo LZ de mídia exterior se uniu à PFC (Propaganda Futebol Clube), um hub de comunicação, para dar vida a uma campanha que pede o fim do conflito.

Decididos a fazerem algo simbólico, que seja mais uma das tantas ferramentas já utilizadas mundo afora para se manifestar contra a guerra, as duas empresas colocaram outdoors em diversas partes da cidade.

Entre os pontos escolhidos, destacam-se os outdoors que estão próximos ao Consulado Honorário da Rússia, levando a mensagem para mais perto daqueles que, de fato, podem ajudar a aumentar esta pressão mundial para que a guerra acabe.

Sendo outdoors duplos, no primeiro, pode se ler: “Chega de Guerra: nossa bandeira tem a cor do outdoor ao lado”. E no outdoor que está imediatamente ao seu lado, se consegue ver um fundo todo branco.

Utilizando o meio como próprio instrumento para a formação da mensagem, o Grupo LZ e a PFC apostam na criatividade e na pertinência para se somarem às milhares de vozes ao redor do mundo que também clamam pela paz.

PFC homenageia os 250 anos de POA com música inédita de Kleiton&Kledir

Em celebração aos 250 anos da capital gaúcha, a PFC, um hub de comunicação em Porto Alegre, lançou a música inédita da dupla Kleiton&Kledir, “Somos POA”.

A canção da dupla faz uma homenagem a Porto Alegre falando de alguns dos pontos mais conhecidos e prestigiados da cidade.

Para o lançamento da música inédita, a PFC conta com materiais impressos distribuídos em pontos estratégicos e relevantes da cidade, como o Chalé da Praça XV e o 360 POA Gastrobar, na Orla do Gasômetro.

Além disso, ainda foi feito materiais de OOH, como painéis digitais com o conceito da ação “Cabeça ligada no mundo e os pés em Porto Alegre” – verso da canção, e posts para as redes sociais que convidam o público a conhecer a música.

E a partir do dia 26 de março, data em que a cidade comemora oficialmente os 250 anos, a canção “Somos POA” também poderá ser escutada nas principais rádios gaúchas.

Para conhecer a música em primeira mão, no canal de áudios da agência, o link é: bit.ly/somospoa.

Em nova parceria com a PFC, Parceiros Voluntários apresenta a campanha Costuras

Está sendo lançada em junho, a campanha “Costuras” realizada pela Parceiros Voluntários e assinada pela PFC, a Propaganda Futebol Clube.

Contando com uma série de peças, que passam por diferentes mídias, como digital, TV, jornal, revista e OOH, trata-se de mais uma parceria entre a agência de Porto Alegre e a ONG que já conta com uma história de mais de 20 anos
unindo pessoas em prol de causas.

Lembrando que “ser parceiro é estar sempre junto” e que

 

“ser voluntário é estar sempre pronto”, o conceito da campanha remete às costuras realizadas entre parceiros e voluntários da ONG para construir soluções no tecido social.

Uma curiosidade das peças é que a locução do filme e do spot (com versões de 1 minuto e de 30 segundos) foi realizada pelo Professor Lenio Luiz Streck, um dos mais importantes juristas brasileiros. Esse mesmo filme já foi
compartilhado por influencers como: Débora de Oliveira, Luã do Valle, Gigi Fauri, entre outros.

Dando continuidade às ações desenvolvidas pela PFC, que já havia assinado a criação de “SóJuntos”, a nova campanha está sendo veiculada em alguns dos principais meios de comunicação e, por acreditar que é #SóJuntos que se faz um amanhã melhor para todos, ela faz um convite à sociedade: que cada um também se una na costura das soluções que o tecido social tanto precisa atualmente.

FICHA TÉCNICA:
Título: Costuras
Agência: PFC Hub de Comunicação
Diretor-Geral de Criação: Marcos Eizerik
Criação: José Alfredo

Dia do Trabalhador: não és máquina, pessoa é o que és

Em homenagem ao Dia Internacional do Trabalhador, compartilhamos um dos discursos mais célebres da história do cinema mundial e, embora feito há mais de 80 anos por Chaplin em seu filme “O Grande Ditador”, conta com amplo significado em tempos modernos, em tempos pandêmicos.

Com a palavra, um dos mestres que desejava uma sociedade sem mestres:

“Sinto muito, mas não pretendo ser imperador. Não é esse o meu negócio. Não quero governar ou conquistar ninguém. Gostaria de ajudar a todos que fosse possível: judeus, pessoas gentis, negros, brancos. Todos nós desejamos ajudar uns aos outros, seres humanos são assim. Queremos viver pela felicidade do próximo e não pelo seu infortúnio.

Não desejamos odiar ou desprezar, neste mundo há espaço para todos. A Terra é rica e pode prover as necessidades de todos. O caminho da vida pode ser livre e lindo, porém, perdemos o rumo.

A ganância envenenou as nossas almas, levantou muralhas de ódio, fez-nos chegar à miséria e ao derramamento de sangue. Desenvolvemos velocidade, mas nos isolamos uns dos outros. A maquinaria que nos poderia dar abundância deixou-nos na penúria. Os nossos conhecimentos nos tornaram céticos e cruéis. Pensamos de mais e sentimos de menos.

Mais do que máquinas, precisamos de humanidade. Mais do que inteligência, precisamos de compaixão e gentileza. Sem estas qualidades, a vida será violenta e tudo será perdido. A aviação e o rádio nos aproximaram. A própria natureza dessas coisas apela à bondade. Apela à fraternidade universal para sermos todos um.

Neste mesmo instante, a minha voz chega a milhões em todo o mundo, milhões de homens, mulheres e crianças desesperadas, vítimas de um sistema que põe homens a torturar e encarcera inocentes.

Aos que me ouvem, eu digo: não se desesperem. A nossa desgraça é simplesmente o último suspiro da ganância. A amargura de homens que temem o progresso humano. O ódio dos homens desaparecerá e os ditadores sucumbirão.

E o poder que arrebataram do povo irá retornar ao povo. Mesmo que os homens morram, a liberdade nunca perecerá.

Soldados: não se entreguem a esses desalmados. Homens que te desprezam, te escravizam, controlam as suas vidas. Que te dizem o que fazer, o que pensar, o que sentir. Que te condicionam como tratam um gado e se servem de ti como carne para canhão.

Não se entreguem a esses desumanos, homens-máquina, com mentes de aço e corações de pedra. Você não é uma máquina, você não é gado, pessoa é o que és. E leva o amor da humanidade em tua alma. Não odieis! Só odeiam os que nunca foram amados, os mal-amados e os desumanos.

Soldados: não lutem pela escravidão, lutem pela liberdade. No sétimo capítulo de São Lucas está escrito: “O reino de Deus está dentro de homem”. Não de um só homem, nem de um grupo deles, mas de todos os homens: em ti!

Tu, o povo, tens o poder! O poder de criar máquinas, o poder de criar felicidade. Tu, o povo, tens o poder de tornar esta vida bela e livre, de fazer desta vida uma aventura maravilhosa!

Então em nome da democracia, usemos esse poder! Vamos todos nos unir e lutar por um mundo novo. Um mundo decente, que assegure a todos, a oportunidade de trabalho, que dê futuro à juventude e segurança à terceira idade.

Com tais promessas, os desalmados subiram ao poder, mas eles mentem, eles não cumprem as suas promessas. Eles nunca vão. Ditadores libertam-se, mas escravizam o povo. Agora, lutemos para cumprir essas promessas. Lutemos para libertar o mundo, abolir as fronteiras nacionais, pôr fim à ganância, ao ódio e à intolerância. Lutemos por um mundo de razão.

Um mundo no qual a ciência e o progresso conduzam todas as pessoas à felicidade. Soldados, em nome da democracia: vamos todos nos unir!”

Obs.: a transcrição do discurso foi feita em tradução livre, mas recomendamos fortemente que, se você chegou até aqui, leia este texto interpretado por Chaplin neste link: https://www.youtube.com/watch?v=zI0x2U-Dfv4&ab_channel=AnonAlagoas

PFC lança o PFCare: um núcleo de comunicação focada em saúde

A pandemia expôs o que muitos já sabiam: a saúde precisa vir em primeiro lugar. Nunca se falou tanto sobre a importância dela.

Percebendo que não adianta apenas “se falar sobre”, mas que se deve, sobretudo, se “comunicar bem”, a Propaganda Futebol Clube lançou, recentemente, um núcleo de comunicação, focado na área de saúde: o PFCare, que passa a ser um novo braço da agência voltado a clientes da área.

Já atuando junto com alguns importantes players do mercado, a citar a Uniodonto e o DiagLaser, a agência de Porto Alegre investiu na capacitação de seus colaboradores para atenderem a clientes desse nicho e, ainda, contou
com a adesão de profissionais da saúde, visando entregar uma comunicação multidisciplinar e assertiva.

“É mais uma iniciativa da PFC que tem buscado se reinventar desde o início da pandemia. Todos nossos colaboradores estão trabalhando em home office, com novos processos, com mais liberdade e isso tem surtido efeito: clientes estão chegando e encontrando o expertise adequado. Esperamos que, com o PFCare, possamos estar ao lado de empresas da área da saúde com uma comunicação afetiva e efetiva”, afirma o diretor da empresa, Marcos Eizerik.

Whats nosso de cada dia

Começou como uma brincadeira. Todos estavam usando, então eu quis experimentar. Foi bem fácil de conseguir: em dois cliques, ele estava na minha mão. Eu havia instalado o WhatsApp.

Parecia tão inofensivo. Era só um serviço para troca de mensagens. Eu já tinha usado outras coisas parecidas. Achei que essa plataforma não ia “bater” tão forte.

Já estava no Facebook, conhecia o Orkut, então sabia como funcionavam as redes sociais de modo geral, e não levou muito tempo pro meu organismo se adaptar a esta nova.

Sentia uma euforia enorme, poderia falar com qualquer pessoa do mundo inteiro, por todo o tempo que quiséssemos. Mas eu também sentia certa angústia quando minhas mensagens não eram visualizadas, ou certa ansiedade se deixasse de responder a alguém.

Me sentia mais conectado com quem estava longe a cada vez que eu usava um pouquinho. Falei com pessoas que já não via há muito tempo: estavam todos ali, na mesma vibe que eu, partilhando a mesma experiência mesmo que distantes.

Usávamos os chamados emojis para expressar nossos sentimentos. Eu dizia que estava chorando de rir, mesmo que não achasse graça no que foi dito e em meu rosto (real) não tivesse qualquer sorriso, ainda que meu rosto virtual, amarelo e levemente deformado, estivesse fazendo caras e bocas.

Fiz o mesmo para mostrar a língua, para oferecer frutas, para mostrar que estava tranquilo, preocupado, alegre ou com raiva: em só dois cliques eu enviava aquilo que não necessariamente estava sentindo, mas que queria que o outro pensasse que sentira.

Então surgiram os grupos. Começou tomando conta de toda a minha família, logo foi para antigos colegas de escola e, quando vi, eu já estava usando o Whats em grupos com um monte de desconhecidos.

As coisas começaram a ficar estranhas pela primeira vez. Nestes grupos, eu recebia muitas informações que sabia que eram falsas, mas vinham de pessoas que eu confiava e que achavam que estavam certas. Começou a haver muita discussão, muita gente se afastou, parece que o país inteiro se dividiu em dois a partir dos grupos de família que já não mais se entendiam: com um lado baseando as suas opiniões em informações falsas, manifestando o sintoma da confusão e, com o outro, perdendo a paciência para tentar explicar que era falso, dando vida ao sintoma da irritabilidade, ambos também presentes nos quadros relativos a dependências químicas.

Não demorou muito tempo para que todas as empresas passassem a usar também: do dia para a noite, adicionaram em suas fachadas, os seus “números de Whats”. Seus funcionários passaram a ter os seus próprios grupos para se comunicarem mesmo fora do expediente.

No primeiro momento, eu achei prático. Poderia fazer qualquer pedido para praticamente qualquer empresa, usando aquilo que eu achava a melhor forma de comunicação e sem precisar mexer um músculo, apenas os dedos.

Mas foi então, que a minha empresa resolveu criar o seu próprio grupo: e foi aí que as coisas ficaram estranhas pela segunda vez.

Eu já era usuário há anos, mas até o início da Pandemia de 2020, talvez não percebesse tanto os malefícios que isso me trazia e foi, no âmbito profissional, considerando que eu seja apenas um assalariado de uma empresa qualquer, que passei a notar isso de forma mais acentuada.

Falando mais um pouco de história, lembro que logo no início da Revolução Industrial, após 12 ou 14 horas de jornada, os trabalhadores ainda deviam ficar alertas à sirene da fábrica: caso ela tocasse, eles eram obrigados a irem a seus postos imediatamente, o que gerava grande ansiedade e tensão nestas pessoas, pois a sirene poderia tocar a qualquer momento e eles estavam sempre de prontidão.

Hoje, a sirene está em nossas mãos: é a notificação de uma nova mensagem, um novo e-mail. Tenho a nítida impressão de que já acordo trabalhando e de que fico produzindo até a hora de dormir. Me mantenho sempre alerta a uma nova mensagem, a uma nova urgência (dos outros) que eu tenha que resolver, sendo que nenhum destes outros fazem ideia – ou simplesmente não se importam – sobre quais sejam as minhas reais urgências.

Se há três séculos, a possibilidade de desligamento, o direito ao ócio e as jornadas exaustivas foram alguns dos fatores que motivaram uma série de movimentos de onde brotaram os mais básicos direitos trabalhistas, hoje percebo que meu direito ao desligamento foi retirado pela forma como nós, enquanto sociedade, utilizamos o WhatsApp, em excesso.

Estamos usando, estamos conectados 24 horas por dia, todos os dias da semana: e isso é demais, isso traz esgotamento principalmente mental, mas também físico, outras características das dependências químicas.

O home office, realidade trazida para muitos após o início da Pandemia, intensificou a (suposta) necessidade das empresas em utilizarem o WhatsApp ao mesmo tempo em que colocou seus funcionários sob constante alerta: tudo se mistura, a empresa virou a casa, a casa virou a empresa, o quarto virou escritório e uma notificação, um e-mail que você não responda imediatamente, pode dar a entender que você é um péssimo profissional, que você estava errado por estar tomando banho naquele momento, que você estava errado por ter sono. É olho no relógio, nas redes sociais, numa mensagem à noite, na madrugada: não se escova mais os dentes sem que já se veja que há mil coisas para se resolver, mensagens a se responder.

Médicos sabem a quantia necessária para se ter uma overdose de cocaína, por exemplo, mas será que conseguiremos, algum dia, calcular a dose de informações a que somos expostos para termos uma relação mais saudável com essas tecnologias?

Ou será que este novo vício, que sei que você também tem em maior ou menor grau, só terá seus efeitos estudados daqui a 20, 30 anos, quando novas patologias tiverem surgido a partir destes comportamentos, quando, de certa forma, o sistema de muitos já tiver bugado?

Será que vão se criar grupos de autoajuda para viciados em WhatsApp no próprio WhatsApp? Isso, o futuro dirá. Por enquanto, copie o link deste texto, compartilhe nos seus grupos de Whats, nas suas redes sociais, bote um sorriso de emoji amarelo no rosto e vamos seguir fingindo que está tudo bem e que a sociedade está em um relacionamento saudável com essas novas tecnologias.

Neste Novembro Azul, perguntamos: você tem medo de quê?

Homens, precisamos falar sobre os nossos medos. E precisamos mesmo, antes de qualquer coisa cabe dizer que este texto é escrito por um homem, direcionado a homens, e visa lembrar, sobretudo, que nossos medos nos matam.

Somos ensinados a não ter medo, mas nem percebemos o quão medrosos somos, desde a infância.

Por trás da frase “homem não chora”, por exemplo, aprendemos que devemos temer a demonstração de emoções. Isto por si só, já implica em diversos fatores psicológicos, que podem passar por pequenos traumas a grande doenças que envolvam relacionamento interpessoal.

Com o passar do tempo, os medos vão mudando de forma devido às pressões sociais, mas estão sempre presentes.

Poderíamos levantar diversos outros exemplos de como a cultura do medo está implícita no cotidiano que forma a masculinidade, na adolescência, na vida adulta e na velhice.

Transar com o maior número possível de mulheres esconde o medo da solidão, da impotência, demonstra a necessidade de aprovação perante a sociedade para ser visto como “garanhão”.

Ter um comportamento viril, ser forte, provedor, ter confiança em si mesmo: debaixo de tudo isso, está o medo da desaprovação, estão as práticas comportamentais conhecidas na psicologia como “manual imaginário do homem viril”.

Dentro deste mundo imaginário, mas ao mesmo tempo, tão real, um dos medos mais comuns é o de ir ao médico.

E é aqui que entramos na relação entre todos os medos que formam a nossa personalidade masculina, e nem percebemos, com o novembro azul: o medo de um exame específico, que é o exame de toque retal para detecção do câncer de próstata.

Pouquíssimos homens viriam a admitir que sentem “medo de um exame” e utilizariam ene subterfúgios argumentativos para não realizar o exame de qualquer forma, mas queremos aqui, pensar um pouco sobre de onde vem esse medo, de onde vem o tabu sobre um dedo no ânus.

Com o perdão do trocadilho, o papo é reto: a maioria dos medos vem daquilo que não se conhece, que se tem preconceitos ou informações imprecisas sobre o fato em si.

Se o medo do exame é sobre a dor em si em sua realização, poderíamos tranquilizar os desavisados de que há uma preparação anterior para que esta não seja sentida e poderíamos relacionar a qualquer outro tipo de incômodo que temos em cadeiras ou salas médicas, sendo que arrancar um dente, por exemplo, pode doer muito mais do que a realização do exame.

Reconhecendo que boa parte do medo do exame de câncer de próstata não vem da dor que possa ocorrer, há uma boa parcela dos homens, em especial com idades mais avançadas, que tendem a associar o ânus com a orientação sexual e apresentam o argumento cada vez mais combatido, mas ainda presente, de que “seriam vistos como gays se realizassem o exame”.

A esses, temos uma novidade que pode abrir as perspectivas: homossexuais são pessoas que gostam do mesmo gênero e não diz respeito a qualquer tipo de prazer ou não com o reto. Há, inclusive, casais heterossexuais onde ocorre este tipo de prazer e, nem por isso, o homem pode ser visto como “gay”, pois sua orientação sexual ainda é direcionada ao outro gênero.

Ou seja, não há sentido em ter medo de um exame por achar que sua orientação sexual mudaria, milagrosamente, se o fizesse.

Pincelados os medos biológicos e sociais, ainda cabe outro que é visto como um dos fatores para homens não fazerem o exame de próstata: a vergonha e a vulnerabilidade a que ficam expostos no momento da realização.

Sobre isso, cabe lembrar de exames urológicos, onde a pessoa fica tão vulnerável quanto e é sempre importante de se salientar a necessidade da procura apenas por médicos de sua confiança para realizar qualquer tipo de exame.

Por fim e indo mais a fundo, a não-realização do exame pode estar associada ao medo da morte. Sim, pois “se eu não descobrir a doença, ela não existe”.

O que se trata de outro medo infundado e que tanto mata por aí, tendo em vista que é justamente o diagnóstico precoce de qualquer tipo de câncer que aumenta (e muito) a sua chance de ser curado.

Contudo, esperamos que esse texto tenha servido para você colocar um pouco o dedo na consciência: não há justificativa plausível para ter medo de um exame que pode salvar a sua vida.

PFC no Outubro Rosa: um relato sobre o câncer de mama

Minha mãe teve câncer de mama. Não lembro muito bem, tinha seis anos, mas lembro um pouco. Da angústia em casa, das horas acompanhando seu tratamento.

Naquele ano, ela foi uma das 70 mil pessoas que são diagnosticadas em média no Brasil com este câncer.

Ela descobriu “bolinhas” fazendo o autoexame e realmente procurou um médico, muito antes das campanhas de outubro rosa chegarem ao país. Fazer isso e procurar um tratamento rápido faz toda a diferença para se combater qualquer câncer.

Com plano de saúde que tinha à época, ela se diferenciava dos 75% de brasileiras que dependem exclusivamente do SUS para ter acesso à saúde.

Que vale ser salientado, oferece de graça um tratamento caríssimo e completo, demonstrado em ótimos índices de recuperação das pacientes tratadas por lá, porém, com suas limitações também já reconhecidas em outros âmbitos.

Por ter descoberto bem no início, o tratamento dela levou poucos meses e terminou com uma pequena cirurgia. Isso é o que acontece com 95% dos casos em que o tumor tenha menos de 01 centímetro, este chamado “estágio inicial”.

Mesmo com essa alta taxa de cura, ele representa 16,5% do total de óbitos por câncer que ocorrem no país, sendo também, o que mais mata mulheres pelo mundo.

Justamente sabendo destes dados, vale abordar um lado pouco debatido, que são os efeitos psicológicos e permanentes por ter se enfrentado e superado um câncer.

Se na parte biológica, a sua cura que pode ser medida e controlada, na parte psicológica, isso não pode ser feito.

Um dos dados neste sentido, diz que mulheres tem seis vezes mais chances de serem abandonadas por seus parceiros quando são diagnosticadas com doenças graves e este número chega a 70% nos casos de câncer de mama.

Outro fator diz respeito aos casos graves, onde a mastectomia é recomendada, causando efeitos psicológicos pouco debatidos nestas mulheres e em suas famílias.

É para jogar luz sobre este e tantos outros temas relacionados ao câncer de mama, que se criou, na década de 1990, o outubro rosa, visando incentivar a prevenção a esta doença.

Também é por isso que publicamos este texto: sendo mais uma das tantas marcas que aproveitam o mês de outubro para lembrar a todas as mulheres que venham a nos ouvir ou ler, sobre a necessidade de se realizar autoexame regularmente e de se procurar um médico para fazer a mamografia com frequência.

* Um esclarecimento ético que se faz necessário – De forma afetiva, dizemos que este é um texto ficcional. De forma efetiva, lembramos que esta história acontece com milhares de famílias neste momento.