Ano perdido ou vidas perdidas: as lições de mais uma polarização.

Tínhamos dito que o próximo texto publicado aqui, seria sobre fake news. Já se tinha uma ideia, de se fazer algo divertido, com uma abordagem leve, que fosse uma conversa com avós, pais, mães, tiozões, dando dicas fáceis para se evitar ou se detectar as fake news.

Mas não dá.

Não dá pra ser divertido, não dá pra escrever leve vendo os caminhos que o país segue trilhando em meio à pandemia.

As fake news ficam pra depois, possivelmente pra mais perto da eleição, hoje queremos falar sobre a polarização da moda: abrir ou não as escolas.

Sem mencionar as polarizações históricas no país, que ao contrário do que alguns possam pensar, surgiu séculos antes de junho de 2013, vamos nos ater apenas àquelas que vieram durante o contexto pandêmico, surgido há cinco meses no país.

Já houve o embate entre usar ou não a máscara. É “embate” mesmo e não “debate”. Em uma discussão polarizada, pouco importam os argumentos, sejam eles científicos ou fruto, inclusive, de fake news.

Mas não vamos falar delas de novo.

Já houve o lado da cloroquina e o da tubaína; o do vem pra rua e do fique em casa; o da gripezinha e o do fim do mundo.

Talvez o fruto de todas as polarizações durante este período tenha sido colocar a saúde em oposição à economia, como se uma não dependesse intrinsicamente da outra.

Agora, com média próxima a mil mortes por dia desde junho e diversos decretos autorizando a reabertura das áreas não essenciais, a discussão central se voltou para as escolas, para a educação e para as crianças.

Um lado argumenta que as aulas têm que voltar de forma presencial.

Crianças são muito inquietas em casa, dizem os pais impacientes; Jovens podem pegar o vírus sem problemas, dizem os negacionistas; As crianças vão respeitar o distanciamento, diz quem não lembra da infância.

O outro lado não inovou em seus argumentos e usa a mesma ideia que foi apresentada desde o primeiro caso de contaminação por coronavírus no mundo: as pessoas vão se infectar e algumas vão morrer.

Daquele confronto entre saúde e economia, originou-se agora, a oposição entre saúde ou educação.

A frase “o ano estará perdido” tem pipocado na mídia tradicional e nas redes sociais por uma fração da comunidade escolar e parte dos pais que defende a retomada das aulas presenciais.

Será mesmo que o ano estará perdido?

O conteúdo escolar estará lá, pronto para ser ensinado a qualquer momento, mas e os aprendizados que esta situação pandêmica pode proporcionar às crianças no dia a dia?

Aprendizados como civilidade, solidariedade, cidadania, empatia e diversos outros estão certamente ocorrendo nas mais diferentes casas, das mais diversas crianças em todo o país.

E olhando com otimismo, isso pode valer muito no futuro não apenas individual destas crianças, como da sociedade como um todo.

Não dizemos, porém, que são dispensáveis os aprendizados do currículo escolar: bem longe disso.

Mas dizemos sim, que a pandemia está ensinando importantes lições a todos, inclusive a crianças e jovens sem precisarem estar aglomerados em salas de aula para isso.

Mesmo sabendo que a maior parte das escolas públicas ou privadas adotaram medidas de ensino a distância, podem se considerar os casos mais graves, onde nem o poder público ou os empresários fizeram algo até agora para se adaptar a esta nova realidade, e se imaginar a situação daquelas crianças que não tiveram acesso algum a qualquer tipo de conteúdo do currículo escolar neste ano.

Até elas, e talvez principalmente elas, estão aprendendo diariamente. Se não nos livros, na prática. Se não nas salas de aula enfileiradas, nas salas de casa: por vezes, abarrotadas.

Ninguém precisa se expor aos riscos para ter contato e aprender o currículo escolar. Os gestores das instituições de ensino públicas ou privadas devem encontrar as formas adequadas para levar este conhecimento às crianças ou jovens, considerando a realidade vivida por cada um deles.

Não é uma tarefa simples, mas necessária.

Por aqui, desejamos que a saúde pare de ser colocada nos debates em oposição à economia, à educação ou a qualquer outra área.

Que de mais esta polarização, se tire o ensinamento de que a única lição de vida que as crianças não merecem, é o de ter que se despedir de algum ente querido.

Só no Brasil

Temos uma piada interna aqui na agência que é “só no Brasil”.

Surgiu nem sei há quantos anos como forma de implicar, brincar e questionar o discurso de muitos de que “só no Brasil” acontecem certas coisas.

Antes, a brincadeira geralmente opunha-se a frases do tipo: “só no Brasil tem corrupção”; “só no Brasil os impostos são mal investidos”; “só no Brasil a justiça não funciona” e tantas outras situações que é notório não ser verdade, não se tratarem de fatos exclusivos do Brasil.

As exclusividades generalistas nunca eram pro “lado bom”, nunca era “só no Brasil tem um povo tão solidário”; ou “só no Brasil tem tais paisagens” e etc., era sempre mostrando aspectos negativos do país e de seu povo.

Agora, ainda em meio à pandemia e escrevendo de casa com dúvida se seria certo falar no início do texto “aqui na agência”, percebemos que neste aspecto pandêmico, nos foi tirada a possibilidade de questionar brincando: “será que é mesmo só no Brasil?”, pois percebemos que, realmente, a forma peculiar que só o Brasil tem lidado com o coronavírus, não encontra exemplos no mundo em diversas situações.

A primeira e mais evidente, é que não temos ministro da saúde.

Só no Brasil se lida com uma crise sanitária sem ter um chefe para responder sobre as decisões e orientar a sua equipe. Nenhum outro país no mundo ficou sem ministro da saúde por tanto tempo, havendo ao menos outros 09 exemplos de países onde estes foram trocados, mas em todos, prontamente substituídos.

Só no Brasil, as lives fazem tanto sucesso. Já falamos sobre isso aqui, mas se percebe, observando principalmente os Estados Unidos, que as lives não se tornaram moda, ao menos não no mesmo formato e com a mesma intensidade que se tornou um produto cultural para os brasileiros quarenteners.

Só no Brasil, os médicos seguem recomendando um tratamento que teve sua eficácia descartada pela Organização Mundial da Saúde. Não vamos explicar como se chegou a até esse ponto, mas cabe dizer, se o leitor não vê as notícias, de que até o presidente, diagnosticado com o vírus, se trata e faz propaganda para um remédio que comprovadamente não funciona para esta doença.

Comparando ao mundo, sobre isso cabe dizer que o presidente dos EUA havia sido o primeiro a defender publicamente a utilização deste remédio, mas que pouco tempo depois, ele também abandonou esta ideia, ainda que ele próprio detenha “pequena parte” de uma das empresas que produz este medicamento, e que, outra comparação, seria com a Venezuela, onde o presidente também defendeu e abandonou esta ideia.

Só no Brasil se fala sobre flexibilizar uma quarentena que nunca existiu. À exceção de poucos municípios que decretaram o lockdown por determinado tempo, a grande parte do Brasil sequer faz ideia do que seja uma quarentena verdadeiramente restritiva, como a que houve na Itália, Espanha, em regiões dos EUA, da China e em boa parte da Europa e da Índia.

A isso, pode se argumentar “também houveram outros países que não fizeram quarentena”. É verdade, porém, nestes países não se percebe o discurso de abandonar algo que nunca existiu. Se reconhece que a quarentena não foi feita aos moldes clássicos e sim, de que ela já nasceu flexibilizada, o que não ocorre aqui, onde há um equívoco sobre a distinção entre isolamento/ distanciamento social e quarentena restritiva.

Poderíamos cair em algumas generalidades que talvez sejam verdades, como: “só no Brasil houve a crise política entre os três poderes”; “só no Brasil, as pessoas levaram meses para receber a assistência financeira governamental”; “só no Brasil, foi vetado o uso obrigatório de máscaras em espaços públicos”; e algumas outras que sabidamente não são verdades, mas que tem pipocado por aí, como  “só no Brasil, as pessoas não sabem usar máscaras”; ou “só no Brasil voltaram a lotar os bares após a reabertura” ou aquela mais “cachorra” de todas de que “só no Brasil, as pessoas moram aglomeradas”.

Perceba a diferença entre os dois conjuntos de afirmações e aqui já deixamos uma pitada sobre o que possivelmente será o próximo texto publicado aqui, falando sobre as fake news: no primeiro conjunto, não podemos afirmar com certeza que seja só no Brasil onde isso ocorreu devido à falta de pesquisa aprofundada nos demais países; Já no segundo grupo de afirmações, todas reais e retiradas das redes sociais, podemos afirmar com categórica certeza de que não são verdades e se percebe que aqueles defensores do discurso de que falávamos lá no início, aqueles que diziam que a corrupção só havia no Brasil, por exemplo, é o mesmo que utiliza hoje, informações como esta pra desqualificar e subjugar o nosso povo.

O fato é que realmente, só o Brasil tem o jeitinho brasileiro de se lidar com cada situação. Das micropolíticas individuais do dia a dia, como usar ou não a máscara, até as macropolíticas, como não termos um ministro da saúde até agora, os brasileiros vão aprendendo a se virar frente a tudo isso, a todo pandemônio que a falta de gestão em saúde pública coloca o país neste momento.

Infelizmente, a brincadeira interna parece ter perdido a graça por toda a realidade externa. E pior: com tudo o que está acontecendo, a frase “só no Brasil” pode acabar dando lugar para a frase “o Brasil está só”.

As lives, a tribalização do mundo e a saúde mental

Há um sociólogo contemporâneo chamado Michel Maffesoli, que escreveu em 1992, uma obra traduzida em português com o título: A Transfiguração do político – a tribalização do mundo.

No final do século XX, ele percebia muitas características que viriam a ser a base, quase que a espinha dorsal dos cidadãos vivendo em sociedade no século posterior, a suposta pós-modernidade, em especial aqueles indivíduos das chamadas gerações Y e Z, já mais propensos a familiaridades com novas tecnologias.

Suas reflexões inspiraram centenas de outras obras mundo afora, incluindo as análises de sociedade líquida defendidas por Bauman, a partir de 2000, que também tanto falam sobre quem somos hoje e porquê a sociedade e os indivíduos são da forma em que estão.

Em resumo ordinário de uma das ideias centrais desta obra-prima sociológica, e já puxando para o nosso atual contexto pandêmico, ele diz que a força do relacionamento entre os indivíduos para formarem as suas tribos, ou seja, pertencerem a um grupo, não mais estaria em sua localização, como no passado, mas sim, em seus interesses, seus gostos e/ou comportamentos manifestados e mediados pela internet.

Perceba que muito antes, já se dizia das “tribos urbanas”, os hippies podendo ser um belo e distante exemplo, que se juntavam pela afinidade em prol de determinado objetivo, mas que viam a necessidade de estarem juntos fisicamente para compartilharem experiências e sentirem-se integrados.

E as tecnologias, em especial a internet, colocaram isso em outro patamar: o sentido de “estar junto” foi transfigurado para a realidade pós-moderna e não mais passou a ser necessária a presença real, lado a lado, para que o indivíduo identifique que ele está acompanhado.

Se não “acompanhado”, no mínimo, que não está sozinho, o que faz toda a diferença quando se olha sob um aspecto psicológico. E é aqui, que entra a importância das lives para a saúde mental em meio a este momento da pandemia do coronavírus.

É lógico que a sanidade não depende de assistir a alguns shows ao vivo, mas diz-se aqui que esta noção de pertencimento, o sentido de estar vendo e fazendo as mesmas coisas que milhares de outras pessoas no mesmo momento, traz a noção de que se está acompanhado mesmo que se esteja sozinho.

Esta noção de pertencer a um grupo e sentir-se realizado por isso, já indo de encontro à ideia de outro autor chamado Maslow, que desenvolveu a pirâmide das necessidades humanas, é fundamental para se conseguir um equilíbrio emocional.

O indivíduo busca formas de satisfazer as suas necessidades, sendo a de sociabilidade uma delas, e neste contexto de isolamento social, onde se sabe que o ideal para preservar a saúde física é cumprir o distanciamento de aglomerações, as lives vêm possibilitando a integração e o compartilhamento de experiências simultâneas para estes determinados grupos.

Cabe lembrar de outra ideia do Maffesoli que caracteriza a sociedade em tribos, que é o imediatismo, a vontade de ter tudo aqui e agora e, de fato, com computadores e celulares sempre à mão, sabemos que conseguimos.

Se ele havia dito que “somente o presente vivido aqui e agora com os outros importa”, isto é facilmente aplicável à relação entre lives, tribos e saúde mental, ao modo em que elas são vídeos ao vivo trazendo uma experiência individual, mas compartilhada, para milhares de pessoas nas mais diversas partes do mundo, unindo todas elas naquilo que poderia se chamar de “tribo das lives”.

Se num mundo analógico (ou pré-pandêmico) estar num show simbolizava uma multidão de pessoas aglomeradas com música muito alta, agora num mundo digital das lives (ou ainda pandêmico), o som é o mais alto que a caixinha de som ou o volume da TV pode suportar e as companhias tendem a ser aquelas pessoas que se vê todos os dias, podendo dançar apenas na sala e não mais nos salões.

Até podem mudar as formas de se dançar, cantar, se distrair, fazer parte de um grupo, “estar junto” mesmo que não fisicamente, consumir os mais diversos tipos de cultura e saber que não se está sozinho, mas tudo isso sempre será fundamental para o equilíbrio emocional e a preservação da saúde mental.

Pandemia já era. Agora, é pandemônio

Definição de pandemônio:

  1. sent. fig.: mistura confusa de pessoas ou coisas; confusão.
  2. associação de pessoas para praticar o mal ou promover desordens e balbúrdias.

A ideia para este texto começa no dia do pedido de demissão do ministro da saúde, Nelson Teich, e termina quando o Brasil ultrapassa a marca de 27 mil mortos por Covid-19 e se aproxima dos 500 mil casos confirmados.

Enquanto o mundo enfrenta a pandemia do coronavírus, o Brasil dá um belo exemplo global sobre como é o jeitinho brasileiro de se lidar com os problemas.

Não temos mais ministro da saúde. O tal do Teich saiu, ficou um general como interino até agora (14 dias depois) e não parece haver qualquer disposição para que algum médico assuma o cargo.

Mais do que isso, é bom avisar a um leitor desinformado, que o país segue em sua constante crise política, com o Executivo e Judiciário em alta tensão, com a sociedade em sua quase permanente dicotomia entre revistas científicas e grupos de WhatsApp; vem pra rua, fique em casa; saúde e economia; cloroquina e tubaína.

Voltando ao termo “pandemônio”, percebemos, então, que faz sentido que ele seja utilizado na situação do Brasil, onde qualquer pessoa com dois neurônios ou mais concorda, o país está lidando de forma confusa com este problema desde o seu surgimento por aqui.

É bom lembrar que “demo”, o mesmo radical que origina a idolatrada “democracia”, vem do grego “demos”, significando “povo, gente” e que, como vimos, pandemônio não se refere ao capeta, mas sim, a uma “mistura confusa de pessoas”.

Na falta de atitudes do governo federal, governadores tomaram à frente e passaram a implementar as medidas de isolamento recomendadas pela OMS para diminuir a propagação do vírus.

Pouco mais de dois meses se passaram, com uma série de confusões: ministro da saúde discordando de presidente; presidente e governadores se xingando mutuamente; ministro da justiça acusando presidente de diversos crimes; presidente fazendo propaganda para remédio sem comprovação científica, entre tantas outras notícias diárias que já fazem parte da realidade do país há um bom tempo.

Se até então, mesmo com todos os problemas e dentro de cada possibilidade individual, governadores seguiam as recomendações de órgãos científicos, na última semana, passaram a adotar uma posição diferente e a fazerem o que estão chamando de “flexibilização do isolamento” ou “distanciamento controlado”.

No bom português, cederam à pressão econômica em detrimento da comunidade científica e mandaram reabrir tudo, jogando o povo à Deus-dará, em um salve-se quem puder para desviar desse inimigo invisível.

Estipularam regras que sabem que não serão cumpridas pelos estabelecimentos, outras que são inviáveis na prática para boa parte da população, e assumem que não haverá fiscalização o suficiente para garantir o cumprimento das medidas, contando assim, com o “bom senso” da sociedade.

E voltamos ao jeitinho brasileiro: o quanto de “bom senso” é necessário para conter uma pandemia? Se já era pandemia, e no Brasil, percebemos que a situação está mais para pandemônio por conta de decisões confusas de todas as esferas governamentais, o que será que o futuro reserva para nós?

Mentes simplistas tendem a encontrar soluções fáceis para problemas difíceis. Mesmo que não queiram e que supostamente não tenham algum desvio moral, o cérebro procura por uma palavra mágica, um “abracadabra” que possa resolver o problema.

Para o presidente, esta palavra é cloroquina. Para os governadores, que agora não mais seguem as recomendações científicas e jogam a sua população à sorte de pegar ou não o vírus, de ir ou não para a UTI, este termo milagroso, que vai supostamente salvar a economia mesmo que algumas vidas sejam perdidas, passou a ser “distanciamento controlado”.

Como já escrevemos aqui, este parece ser mais um momento da história recente onde sábias palavras de fonte duvidosa fazem todo o sentido: “que Deus tenha misericórdia desta nação”.

O Intertexto em tempos de coronavírus

Primeiro levou os idosos.

Mão não me importei com isso,

eu não era velho.

 

Em seguida levou os desempregados.

Mas não me importei com isso,

eu tinha emprego.

 

Depois encheu os leitos do SUS.

Mas como eu tinha plano de saúde,

também não me importei.

 

Depois foram os doentes crônicos.

Mas como eu não era do grupo de risco,

também não me importei.

 

Agora ela está me levando.

Mas já é tarde.

Como eu não me importei com ninguém,

ninguém se importa comigo.

 

Texto adaptado de Bertolt Brecht, em “Intertexto”. Ainda não é tarde, #FiqueEmCasa e se importe com os outros: isso não é só sobre você. Texto completo do Brecht abaixo.

 

Primeiro levaram os negros

Mas não me importei com isso

Eu não era negro

 

Em seguida levaram alguns operários

Mas não me importei com isso

Eu também não era operário

 

Depois prenderam os miseráveis

Mas não me importei com isso

Porque eu não sou miserável

 

Depois agarraram uns desempregados

Mas como tenho meu emprego

Também não me importei

 

Agora estão me levando

Mas já é tarde.

Como eu não me importei com ninguém

Ninguém se importa comigo.

Coronavírus e o que ele lembra sobre a força dos pequenos

É uma pedra no sapato. De pé direito ou esquerdo, o fato é que está incomodando a todos, prejudicando o caminhar.

No passo em que vai, a humanidade tateia. Estuda como remover a pedra e aprende, a duras penas, como seguir em frente após ela já ter tocado em alguns de seus calos mais profundos.

No fundo, é bem menor do que uma pedra: um vírus, invisível a olho nu, que tem causado gigantesco dano e deixado economias peladas pelas casas onde passa.

Por briga de nanicos e gigantes, lembra-se de Davi e Golias. Onde o menor, com um só golpe, derrotou àquele que parecia invencível.

Não faltam exemplos de vitórias dos pequenos. Se pegarmos (usando luvas) o tamanho físico como parâmetro, vamos do baixinho Romário ao conquistador Napoleão.

Sem sair da história, poderia se citar diversas celebridades, artistas e até super-heróis que provaram que o tamanho físico não importa.

A altura, largura e profundidade das atitudes, daquilo que se faz a si e aos outros, é o que define o lugar que se ocupa no mundo.

Ocupados com pormenores, muitos no mundo minimizam ainda, o real impacto deste nanico que tem derrubado gigantes.

Atônitos, países vão à lona e caem de queixo na realidade trazida por suas próprias contradições.

O lado econômico demonstra que a contagem já foi iniciada: sente o golpe de batalhas antes nunca enfrentadas.

Números sobem e descem, cabeças são cortadas pela tal mão invisível do mercado. Contaminada, dá tapinha nas costas das pequenas empresas e cumprimenta as gigantes com acordos trilionários.

Aqui, pegamos (ainda com luvas) a segunda lembrança a respeito de que o tamanho importa nesta guerra contra o vírus: as pequenas empresas que precisam encontrar soluções criativas, melhor seria se fossem vacinas e não remédios, para fortalecer o seu sistema e evitar ir parar na UTI ou numa gaveta.

Se as pessoas jurídicas estão neste quadro, quando ampliamos a imagem, se percebe um vasto mar de rostos que nem são cadastrados, registrados como pessoas físicas.

Por muito tempo, estas foram chamadas de invisíveis, assim como o vírus. Estavam ali, pelas esquinas, calçadas, tratadas como pedras no sapato por motoristas e pedestres que as enxotam por pedir moedas.

Centavos de sensibilidade tem se percebido agora, quando algumas iniciativas surgem no sentido de se olhar para estas pequenas, as menores pessoas dentro de uma escala na pirâmide social do consumo.

Sem inferioridade, estes e aqueles abaixo dos gigantes, olham para cima e respiram fundo: reconhecem, quase que de forma intrínseca, a força que os pequenos podem ter, quando unidos e organizados em torno de um objetivo comum.

Fazendo a volta nestes pensamentos, se reconhece que ainda que o coronavírus atinja a todos, os mais pobres e as pequenas empresas, que são os menores dentro das áreas econômica e social, enfrentam uma batalha à parte para sobreviver a este inimigo invisível.

Bastante visível é, por fim, a força que estes menores podem ter: que de toda esta crise trazida por um vírus extremamente mutável, a sociedade faça as transformações há muito tempo necessárias para se diminuir a distância entre pequenos e gigantes, para que ninguém, nem mesmo Davi, precise ficar atirando pedras por aí.

Violência contra a Mulher: esta contagem tem que acabar.

Um. Dois. Três.
3 em cada 5 mulheres jovens já sofreram violência em relacionamentos.
Quatro. Cinco.
5 mulheres são espancadas a cada 2 minutos no país.
Seis. Sete. Oito.
A cada oito segundos, uma mulher sofre algum tipo de violência.
Nove. Dez. Onze. Doze. Treze.
13% das mulheres alegam já terem sofrido ameaça de surra.
Catorze. Quinze.
15% das vítimas de estupro entre 14 e 17 anos, ficam grávidas em decorrência da violência sexual.
Dezesseis. Dezessete. Dezoito. Dezenove.
Estima-se que apenas 19% dos casos de estupro são denunciados.
Vinte. Vinte e um.
21% foi a taxa de aumento dos feminicídios entre os anos 2003 e 2013.
Vinte e dois. Vinte e três. Vinte e quatro.
A cada 24 segundos, uma mulher é espancada.
Vinte e cinco. Vinte e seis. Vinte e sete. Vinte e oito.
28% dos homens assumem ter repassado imagens de mulheres nuas aparentemente produzidas sem autorização delas.
Vinte e nove. Trinta. Trinta e um. Trinta e dois. Trinta e três.
33% das mulheres assassinadas foram mortas por seu companheiro ou ex-companheiro.
Trinta e quatro. Trinta e cinco. Trinta e seis. Trinta e sete.
37% das mulheres admitem ter tido relação sexual com o parceiro sem o uso do preservativo por solicitação dele.
Trinta e oito. Trinta e nove. Quarenta. Quarenta e um.
41 estupros ocorrem a cada oito horas, 125 por dia.
Quarenta e dois. Quarenta e três.
43% das pessoas entrevistadas, responderam afirmativamente a pergunta “a mulher não é respeitada no país”.
Quarenta e quatro. Quarenta e cinco. Quarenta e seis.
46% das agressões a mulheres por parceiros, tem como motivação o controle da fidelidade/ciúmes.
Quarenta e sete. Quarenta e oito.
48 vezes mais homicídios de mulheres ocorrem no Brasil em relação ao Reino Unido;
Quarenta e nove. Cinquenta. Cinquenta e um.
51% dos feminicídios ocorre mediante estrangulamento/sufocação, instrumento cortante/penetrante ou objeto contundente.
Cinquenta e dois. Cinquenta e três. Cinquenta e quatro.
54% foi o aumento de número de mortes violentas de mulheres negras nos últimos dez anos.
Cinquenta e cinco. Cinquenta e seis.
56% das pessoas conhecem algum homem que já tenha agredido sua parceira.
Cinquenta e sete. Cinquenta e oito.
58% das agressões a mulheres, são ocorridas contra mulheres e meninas negras.
Cinquenta e nove. Sessenta. Sessenta e um. Sessenta e dois. Sessenta e três.
63 mil atendimentos realizados pelo 180 (Central de Atendimento à Mulher) em 2015 foram relatos de violência.
Sessenta e quatro. Sessenta e cinco. Sessenta e seis.
66% é o total de casos com agressão física sofrida pelas mulheres que já foram violentadas de alguma forma.
Sessenta e sete. Sessenta e oito. Sessenta e nove. Setenta.
70% das mulheres vítimas de estupro, são crianças ou adolescentes.
Setenta e um.
71% é a média de quanto as mulheres ganham a menos do que homens para os mesmos cargos nas empresas.
Setenta e dois. Setenta e três. Setenta e quatro. Setenta e cinco.
75 mulheres são espancadas a cada meia-hora no país.
Setenta e seis. Setenta e sete. Setenta e oito.
78% das mulheres confessam já ter sido assediadas nas ruas ou em transporte coletivo.
Setenta e nove. Oitenta. Oitenta e um. Oitenta e dois. Oitenta e três.
Entre 83 países, o Brasil ocupa a 5ª colocação entre o que mais mata mulheres de forma violenta no mundo.
Oitenta e quatro. Oitenta e cinco.
85 mil meninas e mulheres é a média de atendimento anual do SUS a casos de violência doméstica.
Oitenta e seis. Oitenta e sete. Oitenta e oito. Oitenta e nove.
89% das vítimas de estupro são mulheres.
Noventa.
90% das mulheres assumem terem deixado de fazer algo por medo da violência.
Noventa e um. Noventa e dois.
92% é o aumento de chances de assassinato em casos de agressões não denunciadas previamente.
Noventa e três. Noventa e quatro. Noventa e cinco. Noventa e seis. Noventa e sete. Noventa e oito.
98% dos brasileiros já ouviu falar na Lei Maria da Penha.
Noventa e nove. Cem.
100. É o número que você deve ligar em caso de qualquer tipo de violência contra a mulher, esteja você ou não envolvida nisso. #Disque100 ou #Disque180

Fontes:
Data Popular, Instituto Avon, IPEA, Fórum Brasileiro de Segurança Pública, Organização Mundial da Saúde, Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais (Flacso), Instituto Maria da Penha, Instituto Patrícia Galvão, Observatório da Mulher contra a Violência (OMV) do Senado, Datafolha, Fundação Perseu Abramo (FPA) e Fundação Rosa Luxemburgo Stiftung.

De onde vem a frase gentileza gera gentileza?

Ela está em camisetas, em cartazes, em postes pela cidade. Mas poucos sabem de onde vem a tão conhecida frase “Gentileza gera gentileza”, ou, no mínimo, por que ela se tornou tão popular.

Foi das mãos do Profeta Gentileza que nasceu o quadro mundialmente conhecido “Gentileza Gera Gentileza”.

Nascido como José Datrino, foi uma personalidade da cidade do Rio de Janeiro que ficou conhecido por fazer inscrições peculiares nas pilastras do Viaduto do Gasômetro e, sempre andando pela Zona Central com uma túnica branca e barba longa, chamava a atenção de muitos que passavam por lá.

Ainda na década de 1980, ele chamou a atenção do Gonzaguinha, que compôs uma canção com o nome “Gentileza” em homenagem à história de vida do profeta e às suas pregações. Esta relação percebe-se principalmente nos versos: Feito louco / Pelas ruas / Com sua fé / Gentileza / O profeta / E as palavras / Calmamente / Semeando / O amor / À vida / Aos humanos.

Anos mais tarde, Marisa Monte seguiu o exemplo e compôs outra canção com o nome Gentileza para homenagear àquele que havia criado a célebre frase “Gentileza gera gentileza”.

Mesmo que alguns tentem deturpar o seu puro e bondoso significado, dizendo coisas como: “gentileza gera gente folgada” e tantas outras tosquices, a frase original do profeta interpretava o adjetivo em sua essência.

Isto é, para o escritor francês, Jean de La Bruyère, que definiu a palavra, gentileza é:uma atitude que faz com que o homem pareça exteriormente, como deveria ser interiormente.

AS CRIANÇAS DE ONTEM E DE HOJE

Muito se fala que as crianças mudaram. Mas de que crianças estamos falando?
Será que não seria mais justo dizer que os pais mudaram as suas formas de criar e, por isso, as novas gerações têm uma nova noção de infância?
E será que as crianças realmente mudaram, ou a natureza da infância segue sendo a mesma?
Neste texto, você não vai encontrar nenhuma resposta, isso deixamos para os cientistas sociais.
Mas aqui, você vai encontrar uma série de reflexões para instigar o que você pensa sobre isso.
Do conforto de nossos apartamentos numa capital, parece fácil dizer que as crianças só ficam no computador, que não se interessam pelas brincadeiras nas ruas e tantas outras coisas.
Mas se sairmos um pouco da nossa própria zona de conforto, vemos que as coisas não mudaram tanto assim no que diz respeito a como as crianças se divertem: no interior, ou até mesmo em bairros mais afastados na capital, pode-se ver diversas crianças brincando nas ruas, jogando bola, pulando corda.
Tudo depende de onde estamos e o que queremos ver. Quais julgamentos queremos fazer para comparar estas novas gerações com a nossa.
No geral, as gerações que hoje são pais, tendem a pensar que a sua infância foi mais feliz que a dos seus filhos. Por quê? Será que assim como a beleza, como as tendências, a felicidade também não teve um longo processo de ressignificação?
É evidente que sim: se você não cria os seus filhos como foi criado por seus pais, é lógico que a infância será diferente já por si só, sem considerar todas as mudanças do mundo tecnológico neste tempo.
E como a tecnologia mudou a sociedade, seria no mínimo estranho, que ela não atingisse a infância. Porém, cabe aos pais também pensarem qual é o seu papel nesta transformação.
Será que as crianças de hoje em dia continuam tendo os mesmos direitos das de outrora, ou será que os pais já imputam diversos deveres a elas, mesmo enquanto ainda são bem pequenas.
Na correria do dia a dia, boa parte dos pais (ricos ou de classe média, é claro – porque para os pobres é outra história), matriculam seus filhos desde muito cedo na creche, pois precisam sair para trabalhar, contratam empregadas, gastam e gastam para suprir a sua ausência.
Imputam responsabilidades como aulas de inglês, aulas de ballet, aulas de Yoga, aulas de mandarim e tantas outras coisas e, depois, se lamentam se os filhos estão afastados, se eles não são mais “tão crianças assim”.
Ora, se nas outras gerações as mães passavam o dia cuidando dos seus filhos e, mesmo assim, os baby boomers reclamavam de falta de atenção, como seria hoje em dia? Não é muito mais fácil entregar um tablet com o The Sims instalado do que sentar por algumas horas com os seus filhos para brincar? Quem admite ter este tempo para brincar com os filhos?
Os adultos é que estão loucos e não as crianças.
Os pais ainda influenciados pelo boom da tecnologia que não fazia parte da época da sua infância, ainda não aprenderam a dosagem certa entre computadores e abraços.
Entregam seus filhos aos pixels das máquinas, onde lá, eles passam bombardeados por imagens, recebendo informações de todos os tipos e tendo dificuldade para diferenciar o que é virtual, imagético, do que é real, palpável.
As crianças, por sua vez, seguem sendo as mesmas esponjas que sempre foram: absorvem tudo aquilo que está à sua volta, para o bem ou para o mal. Aprendem com o exemplo e com a experiência.
Então, antes de julgar “as crianças não tem mais infância hoje em dia”, por que não se questionar sobre “qual é o papel dos pais na criação desta nova geração e quais são as novas noções de infância trazidas pelo boom da tecnologia”?

Datas Comemorativas em 2020

JANEIRO

01 – quarta – Ano-Novo
01 – quarta – Dia do Enólogo
01 – quarta – Dia da Praça
02 – quinta – São Basílio Magno
02 – quinta – Dia do Sanitarista
04 – sábado – Dia Nacional da Abreugrafia
04 – sábado – Dia Mundial do Braile
06 – segunda – Dia de Reis
06 – segunda – Dia da Gratidão
07 – terça – Dia do Leitor
07 – terça – Dia da Liberdade de Cultos
08 – quarta – Dia do Fotógrafo
09 – quinta – Dia do Astronauta
09 – quinta – Dia do Fico
10 – sexta – Dia de São Gonçalo de Amarante
12 – domingo – Aniversário de Belém
14 – terça – Dia do Enfermo
15 – quarta – Dia do Compositor
15 – quarta – Dia do Adulto
16 – quinta – São Marcelo, papa
18 – sábado – Dia do Esteticista
19 – domingo – Dia do Cabeleireiro
20 – segunda – Dia do Farmacêutico
20 – segunda – Dia de São Sebastião
21 – terça – Dia Mundial da Religião
21 – terça – Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa
24 – sexta – Dia dos Aposentados
24 – sexta – Dia da Previdência Social
25 – sábado – Dia do Carteiro
25 – sábado – Dia Nacional da Bossa Nova
25 – sábado – Aniversário de São Paulo
26 – domingo – Dia da Gula
27 – segunda – Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto
28 – terça – Dia do Portuário
28 – terça – Dia de São Tomás de Aquino
30 – quinta – Dia da Saudade
30 – quinta – Dia Nacional das Histórias em Quadrinhos
30 – quinta – Dia do Padrinho
31 – sexta – Dia do Mágico
31 – sexta – Dia de São João Bosco

FEVEREIRO

01 – sábado – Dia do Publicitário
02 – domingo – Dia de Iemanjá
02 – domingo – Dia de Nossa Senhora dos Navegantes
02 – domingo – Dia do Agente Fiscal
03 – segunda – Dia de São Brás
04 – terça – Dia do Amigo do Facebook
04 – terça – Dia Mundial do Câncer
05 – quarta – Dia do Datiloscopista
05 – quarta – Ano Novo Chinês
05 – quarta – Dia Nacional da Mamografia
07 – sexta – Dia do Gráfico
10 – segunda – Dia do Atleta Profissional
11 – terça – Dia do Zelador
11 – terça – Dia Mundial do Enfermo
11 – terça – Dia de Nossa Senhora de Lourdes
11 – terça – Dia Internacional das Mulheres e Meninas na Ciência
13 – quinta – Dia Mundial do Rádio
14 – sexta – Dia de São Valentim
16 – domingo – Dia do Repórter
17 – segunda – Dia Mundial do Gato
18 – terça – Dia Nacional de Combate ao Alcoolismo
19 – quarta – Dia do Esportista
19 – quarta – Dia de São Conrado
20 – quinta – Dia Mundial da Justiça Social
20 – quinta – Dia Nacional de Combate às Drogas e Alcoolismo
21 – sexta – Dia Nacional do Imigrante Italiano
21 – sexta – Dia Internacional da Língua Materna
24 – segunda – Promulgação da Primeira Constituição Republicana
25 – terça – Carnaval
25 – terça – Dia da Criação do Ministério das Comunicações
26 – quarta – Quarta-feira de cinzas
26 – quarta – Quaresma
26 – quarta – Dia de Santo Alexandre
27 – quinta – Dia do Agente Fiscal da Receita Federal
27 – quinta – Dia do Livro Didático
27 – quinta – Dia de São Leandro
28 – sexta – Dia da Ressaca
28 – sexta – Dia de São Romão e Lupicino
29 – sábado – Dia Mundial da Doença Rara

MARÇO

01 – domingo – Aniversário do Rio de Janeiro
01 – domingo – Dia Mundial de Zero Discriminação
03 – terça – Dia Mundial da Vida Selvagem
05 – quinta – Dia do Filatelista Brasileiro
06 – sexta – Dia Mundial da Oração
07 – sábado – Dia do Paleontólogo
07 – sábado – Dia do Fuzileiro Naval
08 – domingo – Dia Internacional da Mulher – 8 de Março
09 – segunda – Dia Mundial do DJ
10 – terça – Dia do Sogro
10 – terça – Dia do Telefone
12 – quinta – Dia Mundial Contra a Cibercensura
12 – quinta – Dia do Bibliotecário
12 – quinta – Aniversário de Recife
12 – quinta – Dia Mundial do Rim
14 – sábado – Dia do Pi
14 – sábado – Dia do Vendedor de Livros
14 – sábado – Dia da Incontinência Urinária
14 – sábado – Dia Nacional dos Animais
15 – domingo – Dia da Escola
15 – domingo – Dia Mundial do Consumidor
15 – domingo – Dia de São Longuinho
17 – terça – Dia de São Patrício
19 – quinta – Dia de São José
19 – quinta – Dia do Carpinteiro e do Marceneiro
20 – sexta – Dia Internacional da Felicidade
20 – sexta – Dia Mundial da Saúde Bucal
21 – sábado – Dia Universal do Teatro
21 – sábado – Dia Internacional Contra a Discriminação Racial
21 – sábado – Dia Internacional da Síndrome de Down
21 – sábado – Dia Internacional das Florestas e da Árvore
21 – sábado – Dia Mundial da Infância
21 – sábado – Dia Mundial da Poesia
22 – domingo – Dia Mundial da Água
23 – segunda – Dia Mundial da Meteorologia
23 – segunda – Dia do Optometrista
23 – segunda – Aniversário de Florianópolis
24 – terça – Dia Internacional para o Direito à Verdade para as Vítimas de Graves Violações dos Direitos Humanos
24 – terça – Dia Mundial de Combate à Tuberculose
25 – quarta – Dia da Constituição
25 – quarta – Dia de São Dimas
25 – quarta – Dia do Especialista de Aeronáutica
26 – quinta – Dia do Cacau
26 – quinta – Aniversário de Porto Alegre
26 – quinta – Dia Mundial de Conscientização da Epilepsia
27 – sexta – Dia do Circo
28 – sábado – Dia do Diagramador
28 – sábado – Dia do Revisor
29 – domingo – Aniversário de Salvador
29 – domingo – Aniversário de Curitiba
31 – terça – Dia da Saúde e Nutrição
31 – terça – Dia da Integração Nacional

ABRIL

01 – quarta – Dia da Mentira – 1º de Abril
02 – quinta – Dia do Propagandista
02 – quinta – Dia Mundial da Conscientização do Autismo
02 – quinta – Dia Internacional do Livro Infantil
04 – sábado – Dia Nacional do Parkinsoniano
05 – domingo – Domingo de Ramos
06 – segunda – Dia Internacional do Esporte para o Desenvolvimento e pela Paz
07 – terça – Dia do Corretor
07 – terça – Dia do Jornalista
07 – terça – Dia Mundial da Saúde
07 – terça – Dia do Médico Legista
07 – terça – Dia Internacional para Reflexão do Genocídio de 1994 contra os Tutsi em Ruanda
08 – quarta – Dia da Natação
08 – quarta – Dia Mundial do Combate ao Câncer
08 – quarta – Dia Mundial da Astronomia
08 – quarta – Dia Nacional do Sistema Braille
09 – quinta – Quinta-feira santa
09 – quinta – Dia Nacional do Aço
09 – quinta – Dia Nacional da Biblioteca
10 – sexta – Sexta-feira Santa
10 – sexta – Dia da Engenharia
11 – sábado – Sábado de Aleluia
11 – sábado – Dia do Infectologista
11 – sábado – Dia da Escola de Samba
12 – domingo – Páscoa
12 – domingo – Dia do Obstetra
12 – domingo – Dia Internacional do Voo Espacial Tripulado
13 – segunda – Aniversário de Fortaleza
13 – segunda – Dia do Office-Boy
13 – segunda – Dia do Beijo
13 – segunda – Dia do Hino Nacional Brasileiro
13 – segunda – Dia do Jovem
13 – segunda – Dia da Carta Régia
14 – terça – Dia Mundial do Café
15 – quarta – Dia Mundial do Desenhista
15 – quarta – Dia Nacional da Conservação do Solo
15 – quarta – Dia do Desarmamento Infantil
16 – quinta – Dia Mundial da Voz
17 – sexta – Dia Mundial do Hemofílico
17 – sexta – Dia Mundial da Hemofilia
18 – sábado – Dia de Monteiro Lobato
18 – sábado – Dia do Amigo
18 – sábado – Dia Nacional do Livro Infantil
19 – domingo – Dia do Índio
19 – domingo – Dia do Exército Brasileiro
19 – domingo – Dia de Santo Expedito
20 – segunda – Dia do Diplomata
20 – segunda – Dia do Disco
21 – terça – Tiradentes
21 – terça – Dia do Metalúrgico
21 – terça – Dia da Latinidade
21 – terça – Dia da Polícia Civil
21 – terça – Dia da Polícia Militar
21 – terça – Dia do Têxtil
21 – terça – Aniversário de Brasília
21 – terça – Dia Mundial da Criatividade e Inovação
22 – quarta – Descobrimento do Brasil
22 – quarta – Dia da Terra
22 – quarta – Dia da Comunidade Luso-Brasileira
23 – quinta – Dia de São Jorge
23 – quinta – Dia Mundial do Escoteiro
23 – quinta – Dia do Serralheiro
23 – quinta – Dia Mundial do Livro
23 – quinta – Dia do Torcedor Corinthiano
23 – quinta – Dia Nacional da Educação de Surdos
24 – sexta – Dia do Penitenciário
24 – sexta – Dia do Agente de Viagem
24 – sexta – Dia do Boi
24 – sexta – Dia do Chimarrão
24 – sexta – Dia Internacional do Jovem Trabalhador
24 – sexta – Dia Internacional do Milho
24 – sexta – Dia do Samurai
24 – sexta – Dia Mundial de Combate à Meningite
25 – sábado – Dia da Contabilidade
25 – sábado – Dia Mundial da Luta contra a Malária
26 – domingo – Dia do Goleiro
26 – domingo – Dia de Prevenção e Combate à Hipertensão
26 – domingo – Dia Internacional de Lembrança do Desastre de Chernobyl
27 – segunda – Dia da Empregada Doméstica
27 – segunda – Dia Mundial do Design Gráfico
27 – segunda – Dia do Sacerdote
28 – terça – Dia da Educação
28 – terça – Dia da Sogra
28 – terça – Dia Nacional da Caatinga
29 – quarta – Dia Internacional da Dança
29 – quarta – Dia de Santa Catarina de Sena
29 – quarta – Dia em Memória de todas as Vítimas de Armas Químicas
30 – quinta – Dia Nacional da Mulher
30 – quinta – Dia do Ferroviário

MAIO

01 – sexta – Dia do Trabalho
01 – sexta – Dia da Literatura Brasileira
03 – domingo – Dia Internacional da Liberdade de Imprensa
03 – domingo – Dia do Parlamento
03 – domingo – Dia Nacional do Taquígrafo
03 – domingo – Dia do Sertanejo
03 – domingo – Dia do Pau-Brasil
04 – segunda – Dia de Star Wars
05 – terça – Dia da Língua Portuguesa
05 – terça – Dia Nacional do Líder Comunitário
05 – terça – Dia Nacional das Comunicações
05 – terça – Dia Nacional do Expedicionário
05 – terça – Dia do Marechal Rondon
05 – terça – Dia Nacional sobre o Uso Racional de Medicamentos
05 – terça – Dia Mundial de Higienização das Mãos
05 – terça – Dia Mundial de Combate à Asma
06 – quarta – Dia da Matemática
06 – quarta – Dia do Cartógrafo
06 – quarta – Dia da Coragem
07 – quinta – Dia do Oftalmologista
07 – quinta – Dia do Silêncio
08 – sexta – Dia Nacional do Turismo
08 – sexta – Dia do Profissional de Marketing
08 – sexta – Dia do Artista Plástico
08 – sexta – Dia Internacional da Cruz Vermelha
08 – sexta – Dia da Vitória
08 – sexta – Dia da Talassemia
09 – sábado – Dia da Europa
10 – domingo – Dia das Mães
10 – domingo – Dia do Guia de Turismo
10 – domingo – Dia da Cozinheira
10 – domingo – Dia da Cavalaria
10 – domingo – Dia do Campo
10 – domingo – Dia Internacional de Atenção à Pessoa com Lúpus
12 – terça – Dia Internacional da Enfermagem e do Enfermeiro
12 – terça – Dia do Engenheiro Militar
13 – quarta – Dia do Automóvel
13 – quarta – Abolição da Escravatura
13 – quarta – Dia do Zootecnista
13 – quarta – Dia da Fraternidade
13 – quarta – Dia Nacional do Chefe de Cozinha
13 – quarta – Dia de Nossa Senhora de Fátima
14 – quinta – Dia Continental do Seguro
15 – sexta – Dia do Gerente Bancário
15 – sexta – Dia do Assistente Social
15 – sexta – Dia Internacional da Família
16 – sábado – Dia do Gari
17 – domingo – Dia Mundial das Telecomunicações e da Sociedade da Informação
17 – domingo – Dia Internacional Contra a Homofobia
18 – segunda – Dia dos Vidraceiros
18 – segunda – Dia Internacional dos Museus
18 – segunda – Dia Nacional do Cocktail
18 – segunda – Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual Infantil
18 – segunda – Dia Nacional da Luta Antimanicomial
19 – terça – Dia do Físico
19 – terça – Dia dos Acadêmicos de Direito
19 – terça – Dia do Estudante de Direito
19 – terça – Dia do Defensor Público
19 – terça – Dia de São Crispim de Viterbo
19 – terça – Dia Nacional de Doação de Leite Humano
20 – quarta – Dia do Pedagogo
20 – quarta – Dia Nacional do Técnico e Auxiliar de Enfermagem
20 – quarta – Dia Mundial das Abelhas
20 – quarta – Dia Nacional do Medicamento Genérico
21 – quinta – Dia da Língua Nacional
21 – quinta – Dia do Afilhado
21 – quinta – Dia Mundial para a Diversidade Cultural e para o Diálogo e o Desenvolvimento
22 – sexta – Dia do Apicultor
22 – sexta – Dia Internacional da Biodiversidade
22 – sexta – Dia do Abraço
23 – sábado – Dia da Tartaruga
23 – sábado – Dia da Juventude Constitucionalista
24 – domingo – Dia da Infantaria
24 – domingo – Dia do Datilógrafo
24 – domingo – Dia do Telegrafista
24 – domingo – Dia do Vestibulando
24 – domingo – Dia do Detento
24 – domingo – Dia Nacional do Café
25 – segunda – Dia da Indústria
25 – segunda – Dia do Massagista
25 – segunda – Dia da Toalha
25 – segunda – Dia Nacional da Adoção
25 – segunda – Dia do Trabalhador Rural
25 – segunda – Dia Internacional do Sapateado
25 – segunda – Dia Internacional das Crianças Desaparecidas
25 – segunda – Dia do Orgulho Geek
25 – segunda – Dia da Costureira
25 – segunda – Dia Nacional do Respeito ao Contribuinte
25 – segunda – Dia Internacional da Tireoide
26 – terça – Dia Nacional de Combate ao Glaucoma
26 – terça – Dia do Revendedor Lotérico
27 – quarta – Dia do Desafio
27 – quarta – Dia Nacional da Mata Atlântica
27 – quarta – Dia do Profissional Liberal
27 – quarta – Dia do Serviço de Saúde
27 – quarta – Dia do Serviço de Saúde do Exército
28 – quinta – Dia do Ceramista
28 – quinta – Dia Nacional de Luta pela Redução da Mortalidade Materna
28 – quinta – Dia de São Germano de Paris
28 – quinta – Dia do Hambúrguer
28 – quinta – Dia Internacional de Luta Pela Saúde da Mulher
29 – sexta – Dia do Estatístico
29 – sexta – Dia do Geógrafo
29 – sexta – Dia Mundial da Energia
29 – sexta – Dia Internacional dos Soldados da Paz das Nações Unidas
29 – sexta – Dia de São Maximino
29 – sexta – Dia Mundial da Saúde Digestiva
30 – sábado – Dia do Geólogo
30 – sábado – Dia do Decorador
30 – sábado – Dia da Santa Joana d’Arc
30 – sábado – São Fernando
31 – domingo – Dia do Comissário de Bordo
31 – domingo – Dia do Espírito Santo
31 – domingo – Dia de Pentecostes
31 – domingo – Dia Mundial sem Tabaco
31 – domingo – Dia da Aeromoça
31 – domingo – Dia Mundial de Combate ao Fumo

JUNHO

01 – segunda – Semana Mundial do Meio Ambiente
01 – segunda – Dia da Imprensa
01 – segunda – Dia de São Justino
03 – quarta – Dia Internacional do Administrador de Pessoal e da Comunidade Social
03 – quarta – Dia da Conscientização Contra a Obesidade Mórbida Infantil
03 – quarta – Dia Mundial da Bicicleta
04 – quinta – Dia de Santa Clotilde
04 – quinta – Dia Internacional das Crianças Inocentes Vítimas de Agressão
05 – sexta – Dia da Ecologia
05 – sexta – Dia Mundial do Meio Ambiente
05 – sexta – Dia Nacional da Reciclagem
05 – sexta – Dia de São Bonifácio
05 – sexta – Dia Internacional de Luta contra a Pesca Ilegal, Não Declarada e Não Regulamentada
06 – sábado – Dia de São Norberto
06 – sábado – Dia Nacional de Luta contra Queimaduras
06 – sábado – Dia Nacional do Teste do Pezinho
08 – segunda – Dia do Oceanógrafo
08 – segunda – Dia do Citricultor
08 – segunda – Dia Mundial dos Oceanos
08 – segunda – Dia de São Medardo
09 – terça – Dia da Imunização
09 – terça – Dia do Porteiro
09 – terça – Dia do Tenista
09 – terça – Dia Nacional de Anchieta
09 – terça – Dia Internacional dos Arquivos
10 – quarta – Dia da Artilharia
11 – quinta – Corpus Christi
11 – quinta – Dia da Marinha Brasileira
11 – quinta – Dia do Educador Sanitário
11 – quinta – Dia de São Barnabé
12 – sexta – Dia dos Namorados
12 – sexta – Dia do Correio Aéreo Nacional
12 – sexta – Dia Mundial de Combate ao Trabalho Infantil
12 – sexta – Dia de São Gaspar de Búfalo
13 – sábado – Dia de Santo Antônio
13 – sábado – Dia do Turista
13 – sábado – Dia Internacional de Conscientização sobre o Albinismo
14 – domingo – Dia do Solista
14 – domingo – Dia Mundial do Doador de Sangue
14 – domingo – Dia do Pastor Evangélico
14 – domingo – Dia da Manicure
15 – segunda – Dia Mundial da Consciencialização da Violência contra a Pessoa Idosa
16 – terça – Dia de São Francisco Régis
17 – quarta – Dia do Funcionário Público Aposentado
17 – quarta – Dia Mundial de Combate à Desertificação
18 – quinta – Dia do Químico
18 – quinta – Dia da Imigração Japonesa
18 – quinta – Dia da Gastronomia Sustentável
19 – sexta – Dia do Cinema Brasileiro
19 – sexta – Dia do Migrante
19 – sexta – Dia de São Romualdo
19 – sexta – Dia Internacional para Eliminação da Violência Sexual em Conflito
19 – sexta – Dia Mundial de Conscientização sobre a Doença Falciforme
20 – sábado – Dia do Revendedor
20 – sábado – Dia do Vigilante
20 – sábado – Dia do Refugiado
21 – domingo – Dia de São Luís Gonzaga
21 – domingo – Dia do Mídia
21 – domingo – Dia do Profissional de Mídia
21 – domingo – Dia do Aperto de Mão
21 – domingo – Dia Mundial do Skate
21 – domingo – Dia do Intelectual
21 – domingo – Dia Internacional do Yoga
21 – domingo – Dia Nacional de Controle da Asma
22 – segunda – Dia do Orquidófilo
22 – segunda – Dia do Aeroviário
23 – terça – Dia Mundial do Desporto Olímpico
23 – terça – Dia do Atleta Olímpico
23 – terça – Dia do Lavrador
23 – terça – Dia de São José Cafasso
23 – terça – Dia das Nações Unidas para o Serviço Público
24 – quarta – Dia de São João
24 – quarta – Dia do Disco Voador
24 – quarta – Dia do Observador Aéreo
24 – quarta – Dia do Caboclo
25 – quinta – Dia do Cotonete
25 – quinta – Dia do Imigrante
26 – sexta – Dia Internacional contra o Abuso e Tráfico Ilícito de Drogas
26 – sexta – Dia Internacional de Apoio às Vítimas de Tortura
27 – sábado – Dia Nacional do Vôlei
27 – sábado – Dia Nacional do Progresso
27 – sábado – Dia de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro
27 – sábado – Dia Nacional do Técnico em Nutrição e Dietética
28 – domingo – Dia Internacional do Orgulho Gay
28 – domingo – Dia de Santo Irineu
29 – segunda – Dia de São Pedro e São Paulo
29 – segunda – Dia do Papa
29 – segunda – Dia do Pescador
29 – segunda – Dia do Dublador
29 – segunda – Dia do Telefonista
30 – terça – Dia do Caminhoneiro
30 – terça – Dia da Mídia Social
30 – terça – Dia Nacional do Bumba Meu Boi

JULHO

01 – quarta – Dia de Santo Aarão
01 – quarta – Dia Mundial da Arquitetura
02 – quinta – Dia do Hospital
02 – quinta – Dia do Bombeiro Brasileiro
03 – sexta – Dia de São Tomé
04 – sábado – Dia de Santa Isabel
04 – sábado – Dia da Independência dos Estados Unidos
06 – segunda – Dia da criação do IBGE
06 – segunda – Dia de Santa Maria Goretti
07 – terça – Dia Mundial do Chocolate
08 – quarta – Dia do Panificador
08 – quarta – Dia Nacional da Ciência
08 – quarta – Aniversário de Ouro Preto
09 – quinta – Dia da Revolução Constitucionalista
10 – sexta – Dia da Pizza
10 – sexta – Dia do Engenheiro de Minas
12 – domingo – Dia do Engenheiro Florestal
13 – segunda – Dia do Cantor
13 – segunda – Dia Mundial do Rock
13 – segunda – Dia do Engenheiro de Saneamento
14 – terça – Dia do Propagandista de Laboratório
14 – terça – Dia da Liberdade de Pensamento
14 – terça – Dia de São Camilo
15 – quarta – Dia do Homem
15 – quarta – Dia Nacional dos Clubes
16 – quinta – Dia do Comerciante
16 – quinta – Dia de Nossa Senhora do Carmo
17 – sexta – Dia de Proteção às Florestas
18 – sábado – Dia Internacional de Nelson Mandela
18 – sábado – Dia de São Francisco Solano
19 – domingo – Dia da Caridade
19 – domingo – Dia Nacional do Futebol
19 – domingo – Dia de São Símaco
20 – segunda – Dia do Amigo e Internacional da Amizade
20 – segunda – Primeira Viagem do Homem à Lua
20 – segunda – Dia Nacional do Biscoito
22 – quarta – Dia de Santa Maria Madalena
23 – quinta – Dia do Guarda Rodoviário
23 – quinta – Dia de Santa Brígida
24 – sexta – Dia de São Charbel Makhlouf
25 – sábado – Dia de São Cristóvão
25 – sábado – Dia do Escritor
25 – sábado – Dia do Colono
25 – sábado – Dia do Motorista
25 – sábado – Dia de São Tiago Maior
25 – sábado – Dia da Mulher Negra Latina e Caribenha
26 – domingo – Dia da Vovó
26 – domingo – Dia dos Avós
27 – segunda – Dia do Motociclista
27 – segunda – Dia de São Pantaleão de Nicomédia
27 – segunda – Dia do Pediatra
27 – segunda – Dia Nacional da Prevenção de Acidentes do Trabalho
28 – terça – Dia do Agricultor
28 – terça – Dia Mundial de Luta Contra as Hepatites Virais
29 – quarta – Dia de Santa Marta
30 – quinta – Dia Internacional da Amizade
30 – quinta – São Pedro Crisólogo
31 – sexta – Dia do Orgasmo
31 – sexta – Dia de Santo Inácio de Loyola

AGOSTO

01 – sábado – Dia Nacional do Selo
01 – sábado – Dia Nacional dos Portadores de Vitiligo
02 – domingo – Dia de Santo Eusébio de Vercelli
03 – segunda – Dia do Capoeirista
03 – segunda – Dia do Tintureiro
03 – segunda – Dia de Santa Lídia
04 – terça – Dia do Padre
04 – terça – Dia de São João Maria Vianney
05 – quarta – Dia Nacional da Saúde
05 – quarta – Dia de Nossa Senhora das Neves
05 – quarta – Dia de Santo Osvaldo de Nortúmbria
05 – quarta – Aniversário de João Pessoa
06 – quinta – Dia de São Salvador do Mundo
06 – quinta – Dia Nacional dos Profissionais da Educação
07 – sexta – Dia de São Caetano
08 – sábado – Dia de São Domingos de Gusmão
08 – sábado – Dia Nacional de Combate ao Colesterol
09 – domingo – Dia dos Pais
09 – domingo – Dia Internacional dos Povos Indígenas
10 – segunda – Dia de São Lourenço
11 – terça – Dia da Televisão
11 – terça – Dia do Advogado
11 – terça – Dia Internacional da Logosofia
11 – terça – Dia do Estudante
11 – terça – Dia do Garçom
11 – terça – Dia de Santa Clara de Assis
12 – quarta – Dia Internacional da Juventude
12 – quarta – Dia Nacional das Artes
13 – quinta – Dia do Economista
13 – quinta – Dia do Canhoto
13 – quinta – Dia de São Ponciano e Santo Hipólito
14 – sexta – Dia do Cardiologista
14 – sexta – Dia de São Maximiliano
15 – sábado – Dia da Informática
15 – sábado – Dia dos Solteiros
15 – sábado – Dia da Assunção de Nossa Senhora
15 – sábado – Dia de São Tarcísio
16 – domingo – Dia do Filósofo
16 – domingo – Dia de São Roque
16 – domingo – Aniversário de Teresina
17 – segunda – Dia de São Jacinto
18 – terça – Dia de Santa Helena
19 – quarta – Dia do Historiador
19 – quarta – Dia Mundial da Fotografia
19 – quarta – Dia do Artista de Teatro
19 – quarta – Dia de São João Eudes
19 – quarta – Dia Mundial Humanitário
20 – quinta – Dia do Maçom
20 – quinta – Dia de São Bernardo
21 – sexta – Dia de São Pio X
22 – sábado – Dia do Folclore
22 – sábado – Dia de Nossa Senhora Rainha
23 – domingo – Dia de Santa Rosa de Lima
23 – domingo – Dia Internacional para Relembrar o Tráfico de Escravos e sua Abolição
24 – segunda – Dia de São Bartolomeu
25 – terça – Dia do Soldado
25 – terça – Dia do Feirante
26 – quarta – Dia de São Zeferino
26 – quarta – Aniversário de Campo Grande
27 – quinta – Dia do Psicólogo
27 – quinta – Dia do Corretor de Imóveis
27 – quinta – Dia de São Celestino I
27 – quinta – Dia de Santa Mônica
28 – sexta – Dia dos Bancários
28 – sexta – Dia da Avicultura
28 – sexta – Dia de Santo Agostinho de Hipona
28 – sexta – Dia Nacional de Combate e Prevenção ao Escalpelamento
29 – sábado – Dia Nacional da Visibilidade Lésbica
29 – sábado – Dia Nacional de Combate ao Fumo
29 – sábado – Dia de Santa Joana Maria da Cruz
30 – domingo – Dia de São Cesário de Arles
30 – domingo – Dia Nacional de Conscientização sobre a Esclerose Múltipla
31 – segunda – Dia do Nutricionista
31 – segunda – Dia de São Raimundo Nonato

SETEMBRO

01 – terça – Dia do Profissional de Educação Física
01 – terça – Dia do Corinthians
01 – terça – Dia da Bailarina
01 – terça – Dia de Santa Beatriz da Silva
02 – quarta – Dia de Santa Dorotéia
03 – quinta – Dia do Biólogo
03 – quinta – Dia de São Gregório Magno
04 – sexta – Dia de Santa Rosália
04 – sexta – Dia Mundial do Taekwondo
05 – sábado – Dia da Amazônia
05 – sábado – Dia do Irmão
05 – sábado – Dia Nacional de Conscientização e Divulgação da Fibrose Cística
06 – domingo – Dia do Alfaiate
06 – domingo – Dia do Sexo
07 – segunda – Dia da Independência do Brasil – 7 de Setembro
08 – terça – Dia Mundial da Alfabetização
08 – terça – Dia de Santo Adriano
08 – terça – Dia de Nossa Senhora da Natividade
08 – terça – Aniversário de Vitória
08 – terça – Dia Nacional de Luta por Medicamento
08 – terça – Aniversário de São Luís
09 – quarta – Dia do Administrador
09 – quarta – Dia do Médico Veterinário
09 – quarta – Dia do Cachorro-Quente
10 – quinta – Dia do Gordo
13 – domingo – Dia Nacional da Cachaça
13 – domingo – Dia do Agrônomo
13 – domingo – Dia Mundial da Sepse
14 – segunda – Dia da Cruz
14 – segunda – Dia do Frevo
15 – terça – Dia do Cliente
15 – terça – Dia de Nossa Senhora das Dores
15 – terça – Dia Mundial de Conscientização sobre Linfomas
16 – quarta – Dia Internacional para a Preservação da Camada de Ozônio
16 – quarta – Dia de São Cipriano
17 – quinta – Dia da Compreensão Mundial
18 – sexta – Dia dos Símbolos Nacionais
19 – sábado – Dia Nacional do Teatro
20 – domingo – Revolução Farroupilha (Dia do Gaúcho)
20 – domingo – Dia do Engenheiro Químico
21 – segunda – Dia da Árvore
21 – segunda – Dia Nacional de Luta da Pessoa com Deficiência
21 – segunda – Dia do Adolescente
21 – segunda – Dia do Fazendeiro
21 – segunda – Dia da Tia
22 – terça – Dia do Contador
22 – terça – Dia da Juventude do Brasil
22 – terça – Dia Mundial Sem Carro
22 – terça – Dia Nacional do Atleta Paralímpico
23 – quarta – Dia dos Filhos
23 – quarta – Dia do Sorvete
23 – quarta – Dia do Soldador
25 – sexta – Dia Nacional do Trânsito
25 – sexta – Dia Internacional do Farmacêutico
26 – sábado – Dia Interamericano das Relações Públicas
26 – sábado – Dia dos Primos
26 – sábado – Dia Nacional dos Surdos
27 – domingo – Dia de São Cosme e Damião
27 – domingo – Dia Nacional de Doação de Órgãos
29 – terça – Dia Mundial do Petróleo
29 – terça – Dia de São Gabriel Arcanjo
29 – terça – Dia de São Rafael Arcanjo
29 – terça – Dia de São Miguel Arcanjo
30 – quarta – Dia da Secretária
30 – quarta – Dia da Bíblia Católica

OUTUBRO

01 – quinta – Dia Internacional da Música
01 – quinta – Dia do Vendedor
01 – quinta – Dia do Vereador
01 – quinta – Dia de Santa Teresinha
01 – quinta – Dia Internacional das Pessoas Idosas
02 – sexta – Dia Internacional da Não-Violência
02 – sexta – Dia do Anjo da Guarda
02 – sexta – Dia Mundial do Sorriso
02 – sexta – Aniversário de Porto Velho
03 – sábado – Dia Mundial do Dentista
03 – sábado – Dia das Abelhas
04 – domingo – Dia dos Animais
04 – domingo – Dia de São Francisco de Assis
04 – domingo – Dia da Natureza
04 – domingo – Dia do Cachorro
04 – domingo – Dia do Agente Comunitário de Saúde
05 – segunda – Dia de São Benedito
05 – segunda – Dia Nacional da Micro e Pequena Empresa
06 – terça – Dia de São Bruno
07 – quarta – Dia do Compositor Brasileiro
08 – quinta – Dia do Nordestino
09 – sexta – Dia do Atletismo
10 – sábado – Dia de São Daniel Comboni
10 – sábado – Dia Mundial da Saúde Mental
11 – domingo – Dia Nacional de Prevenção da Obesidade
12 – segunda – Dia das Crianças
12 – segunda – Nossa Senhora Aparecida
12 – segunda – Dia do Engenheiro Agrônomo
12 – segunda – Dia do Corretor de Seguros
12 – segunda – Dia Nacional da Leitura
12 – segunda – Descobrimento da América
13 – terça – Dia Nacional do Fisioterapeuta e do Terapeuta Ocupacional
14 – quarta – Dia do Meteorologista
15 – quinta – Dia do Professor
15 – quinta – Dia Mundial da Lavagem das Mãos
16 – sexta – Dia de São Geraldo
16 – sexta – Dia do Chefe
16 – sexta – Dia do Anestesiologista
16 – sexta – Dia Mundial da Alimentação
17 – sábado – Dia da Agricultura
17 – sábado – Dia do Eletricista
17 – sábado – Dia da Indústria Aeronáutica Brasileira
17 – sábado – Dia do Profissional da Propaganda
17 – sábado – Dia Internacional da Erradicação da Pobreza
17 – sábado – Dia da Música Popular Brasileira
17 – sábado – Dia Nacional da Vacinação
18 – domingo – Dia do Médico
18 – domingo – Dia do Pintor
18 – domingo – Dia do Pintor (Parede)
18 – domingo – Dia do Estivador
18 – domingo – Dia de São Lucas
19 – segunda – Dia do Profissional de Informática
19 – segunda – Dia do Guarda Noturno
19 – segunda – Dia Nacional da Inovação
19 – segunda – Dia do Securitário
19 – segunda – Dia do Profissional de Tecnologia da Informação
20 – terça – Dia do Maquinista
20 – terça – Dia do Poeta
20 – terça – Dia do Arquivista
20 – terça – Dia Mundial do Controlador de Tráfego Aéreo
20 – terça – Dia Mundial da Osteoporose
20 – terça – Dia Mundial da Estatística
21 – quarta – Dia do Contato Publicitário
21 – quarta – Dia Nacional da Alimentação na Escola
21 – quarta – Dia do Ecumenismo
22 – quinta – Dia do Paraquedista
22 – quinta – Dia Internacional de Atenção à Gagueira
23 – sexta – Dia da Força Aérea Brasileira
23 – sexta – Dia do Aviador
24 – sábado – Aniversário de Manaus
24 – sábado – Aniversário de Goiânia
25 – domingo – Dia do Dentista
25 – domingo – Dia de São Crispim e São Crispiniano
25 – domingo – Dia de São Frei Galvão
25 – domingo – Dia do Sapateiro
25 – domingo – Dia Nacional da Saúde Bucal
26 – segunda – Dia do Trabalhador da Construção Civil
27 – terça – Dia Nacional de Mobilização Pró-Saúde da População Negra
27 – terça – Dia Nacional de Luta pelos Direitos das Pessoas com Doenças Falciformes
28 – quarta – Dia do Servidor Público
28 – quarta – Dia do Flamenguista
28 – quarta – Dia de São Judas Tadeu
29 – quinta – Dia Mundial da Psoríase
29 – quinta – Dia Nacional do Livro
29 – quinta – Dia Mundial do AVC
30 – sexta – Dia do Comerciário
30 – sexta – Dia do Ginecologista
30 – sexta – Dia do Fisiculturista
30 – sexta – Dia do Balconista
30 – sexta – Dia da Decoração
30 – sexta – Dia da Merendeira Escolar
30 – sexta – Dia Nacional de Luta contra o Reumatismo
31 – sábado – Dia das Bruxas – Halloween
31 – sábado – Dia do Saci
31 – sábado – Dia Nacional da Poesia
31 – sábado – Dia Mundial da Poupança
31 – sábado – Dia da Reforma Protestante
31 – sábado – Dia da Dona de Casa

NOVEMBRO

01 – domingo – Dia de Todos os Santos
01 – domingo – Dia Mundial do Veganismo
02 – segunda – Finados
02 – segunda – Dia dos Mortos
05 – quinta – Dia do Designer Gráfico
05 – quinta – Dia do Radioamador
05 – quinta – Dia do Protético
05 – quinta – Dia Nacional da Língua Portuguesa
05 – quinta – Dia do Técnico em Eletrônica
07 – sábado – Dia do Radialista
08 – domingo – Dia do Radiologista
08 – domingo – Dia Mundial do Urbanismo
09 – segunda – Dia do Hoteleiro
12 – quinta – Dia dos Supermercados
12 – quinta – Dia do Diretor de Escola
12 – quinta – Dia Mundial da Pneumonia
14 – sábado – Dia do Bandeirante
14 – sábado – Dia Nacional da Alfabetização
14 – sábado – Dia Mundial do Diabetes
15 – domingo – Proclamação da República
15 – domingo – Dia do Esporte Amador
15 – domingo – Dia do Joalheiro
15 – domingo – Dia Nacional da Umbanda
16 – segunda – Dia Internacional da Tolerância
16 – segunda – Dia Nacional dos Ostomizados
17 – terça – Dia da Criatividade
17 – terça – Dia Internacional dos Estudantes
18 – quarta – Dia do Conselheiro Tutelar
19 – quinta – Dia da Bandeira
19 – quinta – Dia Mundial do Vaso Sanitário
19 – quinta – Dia Internacional do Homem
20 – sexta – Dia Nacional da Consciência Negra
20 – sexta – Dia do Biomédico
20 – sexta – Dia do Auditor Interno
21 – sábado – Dia Nacional da Homeopatia
21 – sábado – Dia Mundial da Saudação
22 – domingo – Dia do Músico
22 – domingo – Aniversário de Niterói
23 – segunda – Dia do Engenheiro Eletricista
23 – segunda – Dia Nacional de Combate ao Câncer Infanto-Juvenil
25 – quarta – Dia do Doador Voluntário de Sangue
25 – quarta – Dia Internacional para a Eliminação da Violência Contra as Mulheres
25 – quarta – Dia da Baiana de Acarajé
25 – quarta – Dia da Madrinha
26 – quinta – Dia Mundial de Ação de Graças
27 – sexta – Black Friday
27 – sexta – Dia do Técnico de Segurança no Trabalho
27 – sexta – Dia Nacional de Combate ao Câncer
27 – sexta – Dia de Nossa Senhora das Graças
28 – sábado – Dia do Soldado Desconhecido
30 – segunda – Dia do Evangélico
30 – segunda – Cyber Monday

DEZEMBRO

01 – terça – Dia Internacional da Luta contra a AIDS
01 – terça – Dia do Numismata
02 – quarta – Dia Nacional das Relações Públicas
02 – quarta – Dia Nacional do Samba
02 – quarta – Dia da Astronomia
02 – quarta – Dia Panamericano da Saúde
03 – quinta – Dia Internacional da Pessoa com Deficiência
03 – quinta – Dia Internacional do Deficiente Físico
03 – quinta – Dia de São Francisco Xavier
04 – sexta – Dia Mundial da Propaganda
04 – sexta – Dia do Pedicuro
04 – sexta – Dia do Orientador Profissional
04 – sexta – Dia do Perito Criminal Oficial
05 – sábado – Dia Mundial do Solo
05 – sábado – Dia Internacional do Voluntário
05 – sábado – Aniversário de Maceió
06 – domingo – Dia Nacional de Mobilização dos Homens pelo Fim da Violência contra as Mulheres
08 – terça – Dia da Família
08 – terça – Dia da Justiça
08 – terça – Dia da Imaculada Conceição
09 – quarta – Dia do Fonoaudiólogo
09 – quarta – Dia do Alcoólico Recuperado
10 – quinta – Dia da Declaração Universal dos Direitos Humanos
10 – quinta – Dia Universal do Palhaço
11 – sexta – Dia do Engenheiro
12 – sábado – Dia de Nossa Senhora de Guadalupe
12 – sábado – Aniversário de Belo Horizonte
13 – domingo – Dia de Santa Luzia
13 – domingo – Dia Nacional do Cego
13 – domingo – Dia do Marinheiro
13 – domingo – Dia do Ótico
13 – domingo – Dia do Engenheiro Avaliador e Perito de Engenharia
13 – domingo – Dia do Pedreiro
14 – segunda – Dia Nacional do Ministério Público
15 – terça – Dia do Arquiteto
15 – terça – Dia Nacional da Economia Solidária
16 – quarta – Dia do Reservista
17 – quinta – Dia de São Lázaro
18 – sexta – Dia do Museólogo
18 – sexta – Dia de São Zózimo
20 – domingo – Dia do Mecânico
21 – segunda – Dia do Atleta
23 – quarta – Dia do Vizinho
24 – quinta – Dia do Órfão
24 – quinta – Véspera de Natal
25 – sexta – Natal
25 – sexta – Aniversário da cidade de Natal
26 – sábado – Dia de São Estevão
28 – segunda – Dia do Salva-vidas
31 – quinta – Dia de São Silvestre